Estou a fazer covers

Depois de quase 5 anos parada, eu decidi dar uma oportunidade a mim mesma e a este sonho que sempre tive de cantar.

Confesso que já tinha imensas saudades e sinto-me entusiasmada por finalmente ter a coragem de expor este meu lado. Eu sei que o tempo parada não me ajudou e noto uma diferença muito grande na minha voz, mas eu acredito que com pequenos passos eu vou voltar a alcançar as notas altas ahah!

Fica aqui o meu primeiro cover sozinha, espero que gostem e que comentem, criticas construtivas são sempre bem aceites e se tiverem ideias ou sugestões de outras músicas ou vídeos que gostassem de ver, eu estou super receptiva!

BTW, eu escolhi esta música apenas porque só a descobri muito recentemente e apaixonei-me de caras, sei que não é propriamente recente, mas eu precisava urgentemente de a cantar ahah!

 

XX Carol

A quem eu deixei ir…

Eu aprendi a viver sem ti. Pode não ter sido da maneira mais fácil, mas já passou, já foi!  Agora pouco dói, há dias em que nem me recordo de como era estar do eu lado.

Fizeste tanta questão de me afastar do teu mundo, que acabaste por me fazer não querer pertencer a ele e não sei se lamento por teres perdido a única pessoa que te amava de verdade ou se agradeça a mim mesma por finalmente ter aberto os olhos.

Estava tão habituada a te ter ao meu lado, que nem percebia que, na verdade, eu é que estava do teu. Eu é que ia ter contigo, eu é que te procurava, te chamava. E das poucas vezes em que eras tu a fazê-lo, era porque precisavas de algo, e como em tantas outras vezes, eu estava sempre disponível para tudo, porque te amava e pensava que tu me amavas também, ainda que de uma maneira um tanto estranha e distorcida.

Sofri muito quando me magoaste pela última vez, mas sofri por menos tempo.

Algo por trás da mentira me fez perceber que, aquela seria a última vez que eu te deixava, partir me o coração.

Não sei se foi o cansaço que venceu, a humilhação ou a espera demasiado longa por um pedido de desculpas que nunca chegou a vir, eu apenas sei que de um dia para o outro acordei e decidi dar um basta!

Eu tinha falta de amor-próprio, falta de afeto, falta de carinho, falta de atenção, falta de amor.

Achava que contigo, todas as minhas carências iam passar, mas foi preciso te deixar ir, para perceber que toda a minha falta, tinha um nome e não era o meu.

Eu agora sei quem sou e quanto eu valho! Não preciso de ninguém para me sentir amada, porque eu sou mais que suficiente.

Obrigada a ti, por me teres feito ver a idiota que eu era, ao pensar que sem te ter, não me tinha!

XX Carol

 

 

O coração quer o que ele quer

Já foram dois meses desde a última vez que escrevi algo para o blog. Não sei se todas estão a par do meu último post, onde eu falava do fim do meu namoro.

Não é hábito meu escrever sobre algo tão pessoal, nem sei se fiz a coisa certa ao partilhar algo que me foi e de certa forma, ainda é, tão intimo, mas eu senti uma necessidade abrupta de partilhar o meu sofrimento, não por estar à espera de receber em troca mensagens de força, mas sim por precisar urgentemente de libertar tudo aquilo em algum lugar.

Depois pensei que, falar do que eu estava a sentir, poderia de certa forma, ajudar outro alguém que estivesse a passar por uma situação semelhante e precisasse de outra alma que o compreendesse ao ponto.

A verdade é que, desde então, as coisas mudaram muito, o coração quer o que ele quer e mesmo quando achamos que não há mais volta a dar, as pessoas tomam atitudes, demonstram sentimentos, e fazem-nos repensar em tudo aquilo que se passou.

Não vou mentir e dizer que foi rápido, não foi! Custou muito, sofri em silêncio e provavelmente chorei tanto naquele período de tempo, quando num ano inteiro, eu tive de voltar a aprender tudo, senti-me completamente perdida e sem saber de mim mesma. Eu não me reconheci a longo prazo. Não sabia mais quem eu era, o que sentia, sequer se sentia.

Foi preciso tempo e espaço, coisas a que eu tive direito.

Hoje estou leve, tranquila, mas acima de tudo, diferente. Foi preciso aprendermos da pior forma, para nos apercebermos do quanto estávamos a perder e a errar.

E no final é mesmo verdade, há males que vêem mesmo por bem e independentemente da dor pela qual eu passei, eu não me lembro da última vez em que me senti tão bem com o meu relacionamento, tão segura e tão leve.

Este post não era suposto ser acerca da minha vida, novamente, mas acabei por me deixar ir ahah, no entanto, devo pela milionésima vez uma desculpa a todas as minhas leitoras e confidentes, que já não recebem notícias minhas há muito.

Resta-me dizer um obrigado por me acompanharem e fiquem à espera por um próximo post.

 

XX Carol

 

 

Cookies de Polvilho

Receita de cookies de polvilho, ideal para uma tarde de chuva e vai super bem com um cházinho!

+ Essa receita é pouco calórica meninas 😉

Ingredientes:

1 copo de água a ferver;

2 copos de polvilho doce;

½ copo de farinha de trigo (usei da integral pois é mais saudável);

3 ovos médios inteiros;

½ copo de óleo;

I pitada de sal;

2 colheres de sopa de açúcar (se for do mascavo e mais saudável);

 

Modo de preparo:

Ferva a água com o óleo e de seguida misture o polvilho escaldando-o nessa água, misture bem….ficam umas bolinhas…é mesmo assim!

Adicione o sal, açúcar, e os ovos previamente batidos….misture tudo bem com as mãos;

E se estiver muito líquida adicione a farinha de trigo toda.

Continue a misturar bem com as mãos, e fica meio líquido!

Numa forma com papel vegetal, adicione às colheradas a mistura tentando formar as cookies ou faça com saco de pasteleiro (eu não achei o meu…foi com a colher de sopa), tente fazer todas do mesmo tamanho para assar por igual.

Forno pré-aquecido e vá vigiando… até dourar!!!

HHHUUUMM….Bom Apetite!

XX Andréa

 

 

 

Bolo de Aveia com Passas e Coco

Receita super light e leve 😉

Ingredientes:

1 ovo

1 chávena de côco ralado

½ chávena de uvas passas pretas

3 colheres sobremesa de açúcar mascavo

1 colher de sopa de  óleo

1 copo pequeno de água bem quente

1 copo pequeno de leite morno

1 chávena de farinha trigo integral

1  chávena de flocos de aveia

1 colher de sopa de fermento em pó

 

Modo de preparo:

Misturar tudo muito bem pela ordem dos ingredientes

Colocar numa forma untada no forno pré-aquecido

Teste do palito

 

Bom apetite!!!

XX Andréa

 

Voltar a mim

Para as leitoras que acompanham o blog já há algum tempo, devem se ter apercebido da quantidade de textos que tenho postado. Algumas podem ficar em dúvida se eles são provindos do meu imaginário, mas não são. Tudo o que tenho escrito, é o reflexo de mim e do que se passa na minha vida. Hoje não é excepção, por isso, àquelas que vão se aventurar nesta leitura, agradeço desde já por me acompanharem, mesmo que eu silêncio.

… Tudo aquilo que se passou, que eu deixei que se passasse, todas as atitudes que eu tomei e sei que noutra altura nunca tomaria, foram exclusivamente culpa minha. E é isto, acordei numa manhã qualquer e apercebi-me de que já não sei quem sou. Ando tão perdida, tão sem chão. Pergunto-me como me fui deixar chegar a este ponto.

Eu mudei, num período tão curto de tempo, mudei imenso.

Adquiri novos gostos, novas vontades, até novos amigos, mas nada disso, nada do que eu ganhei pode substituir tudo aquilo que eu deixei fugir.

Eu falo em valores, sonhos, hábitos de vida e maneiras de pensar e ver as coisas.

Sinto-me presa a uma vidinha cómoda, pequena, que não faz parte da minha identidade.

Não me sinto realizada, nem entusiasmada com nada. O tempo passa e eu deixo-o ir sem mim. Estagnei numa pessoa que inventei, mas que na verdade nunca existiu.

Eu não sou assim!

Eu não quero pouco, não me contento com pouco, não mereço pouco!

Eu sou muito, mais do que eu penso, e mereço muito, muito mais do que tenho recebido.

Hoje estou a dar um basta. Acabou a ilusão!

Eu não nasci com mente pequena e pensamento medíocre, eu ainda quero fazer a diferença. Tocar pessoas, fazê-las lembrar-se de mim, só preciso de encontrar-me, recuperar o tempo perdido.

Vou voltar a escrever, a cantar, a dançar porque quero. Vou apreciar as pequenas coisas da vida, como eu sempre soube fazer. Voltar a olhar para o céu para procurar estrelas.

Vou pensar mais em mim, dedicar-me mais a mim. Perdi demasiado tempo a depositar esperanças e energia em coisas que nunca me iriam retribuir da mesma forma.

Mas hoje eu vi, hoje tive provas e estou consciente, a partir de agora eu vou ser eu e o resto que se foda.

 

XX Carol

 

 

O meu primeiro amor, o meu primeiro coração partido…

 

 

Eu nunca me tinha achado digna de ser amada por alguém, sempre fui pouco crente no amor. Para mim, romance só existia em livros e pouco mais. Vivia num mundo onde não sentir nada por ninguém, era mais fácil, do que lidar com sentimentos que eu não podia ou não queria corresponder.

Consegui viver assim durante muito tempo, ou melhor, consegui viver assim quase toda a minha vida, até ao dia em que percebi, que estava pela primeira vez, apaixonada.

Não foi algo rápido e impulsivo, pelo contrário, tudo o que fiz e falei foi cuidadosamente pensado, antes de tomar qualquer atitude.

Ele fez de mim a pessoa mais feliz neste mundo, e independentemente de todos os problemas que me cercavam, nenhum deles parecia grande o suficiente para abalar a felicidade que eu estava a sentir.

Ele foi o meu primeiro em tudo. E agradeço verdadeiramente, o facto de ter sido ele. Porque enquanto durou, foi infinito e eu sei que não era a única a amar.

Foi assim, um pequeno infinito, em que só ele existia para mim, e mais nada me importava.

Hoje sinto falta de tudo e pergunto-me em que lugar é que nos perdemos um do outro e se talvez, um dia, de alguma maneira, nos possamos voltar a encontrar.

Tudo o que posso fazer por agora, é guardar aquilo que de bom ainda ficou, como uma fotografia, onde a felicidade fica congelada.

 

XX Carol